A mula manca

 

I SANTI I SCOLTA ANCA LE MULE
Storia riscattata da Moacir S. Dal Castel.I nipoti dea nona Doménica Maria Antònia Dal Castel, nona Antonieta, i ricorda che sempre la contea quel che ghe ze sucedesto là par el 1915, durante la guera. Le trupe miliatri, dove le passea, le catea su tuto quel che i volea, nò solo formaio, salame, fasui, riso, ma anca cavai e mule. I copava vache, piégore, càvare, porchi, galine… par farse da magnar. Zera na stràgine pròpio.
La nona Antonieta, savendo de tanti malani che i fea in tute le parte, la se ga racomandà a Dio, parché altro no la podea far, che pregar, e basta.
E le trupe le ze rivade casa sua, là del nono Francesco Nesello, el so sposo, e i ga tacà ciapar tuto quel che i volea. La nona la se ga pensa:
– Maria Santa, se i me porta via la mussa, come fao ndar messa, e ndar far le spese. Dio bono, giuteme, fè al manco che la musseta la reste sota par un per de di, sota provisòria, al manco no i me la portarà via!
La ga gnanca finio de pregar, che i soldai i ghe dise:
– Desso ndemo ciapar la vostra mula, che la gavemo vista lì in stala. E la nona la ghe dise, no tanto sicura, par veder se no i ndea tea stala:
– No stè gnanca ndar véderla, parché la ze sota, e no la ve giova par gnente.
Ma lori no i se ga convinti e i ze ndai veder. Eco la sorpresa, no ze che la mula la se impaca, no la volea móverse. Ma, dopo tanto insister, osarghe, sponciarla, la scomìnsia ndar, ma la caminea tuta sota. Lora i soldai ga credesto quel che a nona ghe gavea dito e i la ga dassada lì.
Eco, quel che podaria esser na disgràssia, ze stà na gràssia de Dio, che’l ga fato restar sota provisòria la mussa dea nona Antonieta.
Dopo ndai via i soldai, la mussa la ga tacà ndar drita ancora e, a la doménega, la nona ze ndata a messa par ringrassiar el Signore de ver ancora la so musseta.
(Tradução Frei Rovilio Costa – CR -12-7-2002).

==============

OS SANTOS TAMBÉM OUVEM AS MULAS
Historieta resgatada por Moacir S. Dal Castel.

Os netos da nona Doménica Maria Antònia Dal Castel, nona Antonieta, se recordam que ela sempre contava o que havia acontecido por volta do ano de 1915, durante a guerra. As tropas militares, por onde passavam, levavam tudo o que dava vontade, não só os queijos, salame, feijão, arroz, mas também cavalos e mulas. Eles matavam tudo o que era tipo de animais, vacas, bois, ovelhas, porcos, galinhas, para suprir a alimentação deles. Era uma destruição total.
A nona Antonieta, sabendo de todas estas maldades que faziam, por toda parte, se apegou a Deus, porque outra coisa não podia fazer a não ser rezar e rezar.
Quando as tropas chegaram a sua casa, lá no nono Francesco Nesello, o seu esposo, começaram a pegar tudo o que viam e tinham vontade. Vendo isto, a nona pensou:
– Santa Maria, se eles me levam a mula, como farei para ir à missa e ir fazer as minhas compras. Deus Bondoso, ajuda-me, faça ao menos que a minha mulinha fique manca por uns dias, se finja de manca e só assim eles não a levarão!
Ela nem acabara de rezar e os soldados lhe disseram:
– Agora vamos pegar a mula, que nós a vimos lá na estrebaria.
E a nona disse, não muito segura, ao menos para que eles não fossem até a estrebaria:
– Não precisam nem ir vê-la, pois ela está manca e assim ela não lhes servirá para nada.
Mas eles não se convenceram e foram até lá para olhar.
E ai… aconteceu a surpresa.
Não é que a mula estava empacada, não queria mover-se!
Mas, depois de tanto insistirem, gritarem, espancarem, a mula começou a andar, só que caminhava toda manca.
Assim os soldados acreditaram no que a nona havia dito e deixaram a mula lá.
E então, aquilo que poderia ser uma desgraça, acabou sendo uma graça de Deus que fez ficar manca a mula da nona Antonieta.
Depois que os soldados se foram, a mula começou a andar normalmente, e no domingo a nona foi, como sempre fazia, à missa e agradecer a Deus por poder ver ainda a sua MULINHA.
Publicada pelo Frei Rovilio Costa no CR 12-07-2002

Povo sem História é um povo sem presente e sem futuro.