A Província de São Pedro

O primeiro período de imigração começa no Brasil em 1808 quando o príncipe Dom João promulga decreto assegurando aos estrangeiros direito à propriedade territorial. Com a subida de D. Pedro I ao trono independente, a Coroa inaugura uma política determinada e revolucionária.

Já em 1747 se daria uma provisão admitindo no Brasil famílias ou casais de Estrangeiros, especialmente artesãos, que não fossem súditos de soberanos que tivessem posses na América, povoar e valorizar regiões do Brasil que ficavam fora das áreas dominadas. A colonização imperial, que beneficiaria sobre tudo a província de São Pedro do Rio Grande do Sul. Já em 1752, chegariam os primeiros casais vindos das ilhas dos Açores-Portugal que Fundaram Porto Alegre(Porto dos Casais). Mais tarde, com a fundação da colônia de alemães em São Leopoldo no ano de 1824, mesmo que não existisse uma legislação atualizada.

Somente depois de cerca de 20 anos de tentativas e de medidas isoladas decidiu-se o Império por uma regulamentação daquele tipo de povoamento.

O Rio Grande legisla pela primeira vez em 1851 sobre a concessão dos lotes aos colonos, dando a estes gratuitamente a terra, alguns instrumentos agrícolas e sementes.

Somente em 1854 é promulgada uma legislação provincial que regula a colonização até o fim do século e supera os inconvenientes da cessão gratuita das terras. As normas então estabelecidas são as que adotarão para a colonização italiana, de 1875 em diante. As terras, não mais gratuitas, passaram a ser vendidas aos imigrantes com prazo de dez anos para a quitação.

A principal área de emigração para o Rio Grande, na Itália, foi o Vêneto, onde a crise era maior por volta de 1875, sobretudo nas províncias de Vicenza, Belluno, Treviso e Verona. Também vieram muitos de Cremona, Mântua e parte da Bréscia, regiões próximas do Vêneto, e do Bérgamo, província no sopé dos Alpes.

A região de Trento, especificamente na área de Trentino Alto Ágide (que só foi anexada à Itália após a Primeira Guerra Mundial) e de Friuli-Venécia Julia (principalmente nas montanhas próximas ao Vêneto) também forneceram emigrantes para o Rio Grande.

Povo sem História é um povo sem presente e sem futuro.